Tag Archives: Paul McCartney

Paul Macca em NEW YORK!

14 dez

 Como foi dito anteriormente,  Paul McCartney transmitiu ontem, 13/12, seu show ao vivo na internet. Sir Paul foi a atração principal do evento fechado que ocorreu na cidade em NYC, no Apollo Theater, famosa casa de espetáculos do bairro do Harlem.

Aqui vão fotos de alguns artistas presentes no evento… Deve ter sido d+!!Paul foi a atração principal de evento fechado no Apollo Theater, em Nova York, na segunda-feira (13)

O guitarrista dos Rolling Stones, Keith Richards.

O ator Kevin Bacon e sua mulher, a atriz Kyra Sedgwick.

O cantor Tony Bennett.

Ron Wood, guitarrista do Rolling Stones com sua namorada, a treinadora de polo brasileira Ana Araujo.

Paul e o guitarrista de sua banda, Rusty Anderson.

Anúncios

RIP John Lennon

8 dez

John Winston Lennon nasceu em 09 de outubro de 1940 na cidade de Liverpool, Inglaterra. Seu pai, Alfred, era marinheiro e ficava pouco em casa e sua mãe, Julia, acabou engravidando de outro homem. John acabou indo morar com sua tia, Mary Smith (Mimi), quem ele sempre considerou sua segunda mãe. Mimi era muito severa e autoritária, mas John, a partir de certa idade, vivia recebendo visitas de sua mãe. Julia adorava música e até ensinou John a tocar banjo. Mimi, percebendo que John tinha gosto pela coisa, o presenteou com o seu primeiro violão, em 1957. Mais para frente ela o presentearia com sua primeira guitarra. Também no ano de 1957, John e seus amigos da escola formaram a banda “The Quarryman”, tocavam skiffle (um som derivado do jazz, famoso em Liverpool na época). No dia 06 de julho de 1967 John conheceu Paul McCartney em uma apresentação da banda. Eles ficaram amigos e Paul, que já era um amante da música, entrou no grupo (por mais que o seu pai achasse que John Lennon fosse sinônimo de encrenca). George Harrison (que era amigo de Paul) entrou como guitarrista, Pete Best assumiu a bateria e Stuart Sutcliffe o baixo quando os colegas de John deixaram o grupo, que pouco depois foi rebatizado de “The Beatles”. A história desse nome é a seguinte: o quarteto adorava Buddy Holly & the Crickets (uma banda que fazia sucesso na época), sendo que a palavra “cricket” em inglês tem duplo sentido, um deles sendo de um inseto, o grilo. Lennon então começou a buscar outros insetos que pudessem ter um duplo sentido, o que acabou resultando em “beetles” (besouros) escrito Beatles para fazer um trocadilho com beat music (beat tendo como significado batida). Assim nasceu The Beatles, no final de 1959.

Em 1962 Stuart Sutcliffe veio a falecer com uma hemorragia cerebral e Pete Best foi retirado da banda por ser considerado muito fraco para a época por George Martin (da Parlophone), que contratou a banda na época. Assim, Richard Starkey (mais conhecido como Ringo Starr), que já era bateirista de outra banda, se juntou ao grupo. Após o primeiro single gravado com essa formação “Love me Do”, os Beatles viraram a melhor banda de rock da época, símbolo da década de 60. E bom, o resto da história todo mundo já sabe! Mesmo assim vou contar um pouquinho, focando em John Lennon, claro…

Lennon e McCartney dividiam o crédito da maioria das composições, mas poucas foram realmente escritas pela dupla. Os dois eram muito diferentes  e essa diferença se complicou após a morte do empresário (Brian Epstein), quando Paul quis ter maior controle sobre a banda. A entrada em cena de Yoko Ono, namorada de John, também foi mal vista pelos outros integrantes da banda. John começou a gravar músicas junto de Yoko e entre 1968 e 1969 lançaram três álbuns e formaram a Plastic Ono Band. Nesse mesmo ano, após a gravação do disco “Abbey Road”, John decidiu sair dos Beatles, mas todos decidiram não publicar essa decisão. Em 1970, Paul informou a imprensa de que estava saindo da banda, ao lançar seu primeiro disco solo. Essa atitude deixou John muito bravo, o que abalou ainda mais a relação dos dois. Era o fim dos Beatles…

John passou a se dedicar mais às causas pacifistas ao lado de Yoko, principalmente pedindo o fim da guerra do Vietnã. Exemplos disso na música “Give Peace a Chance” e no famoso “Bed-In”, quando o casal fez um protesto deitado em uma cama de hotel por uma semana, em plena lua de mel. Morando em NY e participando constantemente de movimentos pelo fim da guerra, John Lennon passou a ser considerado inimigo do estado pelo então presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, que tentou deportá-lo do país diversas vezes.

O filho de John e Yoko, Sean Lennon, nasceu em 1975, o que fez com que John se afastasse da música e se dedicasse somente a sua família. Em 1980 ele voltou a gravar, a música “Just Like Starting Over” foi lançada como single posteriormente e ele lançou, desta vez com Yoko Ono, o disco “Double Fantasy” no dia 17 de novembro.

No dia 08 de dezembro de 1980, John saiu para dar uma entrevista a uma rádio e depois foi com Yoko ao estúdio trabalhar na mixagem da música “Walking on Thin Ice”. Ao voltar para casa, Mark David Chapman, um fã (débil mental) havaiano, que havia pedido autógrafo a John na mesma tarde, se aproximou de John e disparou 5 tiros a tira-roupa contra as costas dele. Covarde, a sensação que sinto ao contar essa história é inexplicável, uma revolta gigantesca. Nessa época eu nem era nascida, imagino como os fãs que vivenciaram isso se sentiram. Mas voltando a história, quatro dos cinco tiros atingiram John, um deles perfurou sua aorta, provocando uma hemorragia fatal. Lennon foi levado ao hospital mas chegou sem pulsação e sem respirar, sendo declarado morto as 23:15.

Essa morte prematura e violenta transformou John numa lenda. Assim que a notícia se espalhou, milhares de fãs se reuniram em luto para prestar tributo a ele na frente do seu edifício. O disco “Double Fantasy”, que havia tido uma fria recepção no lançamento, esgotou nas lojas. Homenagens, estátuas e tributos a John Lennon eram feitos ao redor do mundo. No Central Park, uma área ajardinada foi batizada de “Strawberry Fields”, e recebeu uma placa com a inscrição “Imagine”. Esse local é um dos pontos de encontro aonde seus fãs se unem anualmente, na data de seu aniversário e de sua morte, em homenagem ao grande homem que ele foi.

Os discos de Lennon, com ou sem os Beatles, estão entre os mais vendidos de todos os tempos. Seu catálogo é hoje administrado pela viúva, Yoko Ono, que continua o trabalho de ativismo em prol da paz que desenvolveu com o marido. Nesse ano, que marca 70 anos do nascimento e 30 da morte de John, Yoko dirigiu o relançamento, em versões remasterizadas, de todo o catálogo dele, e organizou shows-tributo nos EUA e na Islândia, aonde inaugurou  a “Imagine Peace Tower”, que projeta um raio de luz no céu. Todo ano, o raio de luz acende no dia 09 de outubro e apaga no dia 08 de dezembro.

John Lennon, um dos meus ídolos que, enquanto vivo, nem na barriga da minha mãe eu estava…!

Curiosidades:

John Lennon é universalmente considerado uma das pessoas mais influentes e conhecidas do século 20, tanto pelas sua música, quanto pelo ativismo político e pela paz mundial.

No ano passado, Yoko Ono organizou uma exposição sobre os anos de John Lennon em Nova York, ela mantém ativo o site johnlennon.com.

No fim de novembro, a TV americana exibiu LENNONYC, dirigido por Michael Epstein, que relata a vida nova-iorquina de John. Ele amava morar na Big Apple, se sentia muito mais livre pois em Londres ele era mais assediado. Além disso, os ingleses não respeitavam muito Yoko, um jornal chegou a publicar que Yoko era feia, deixando John possesso. Portanto, John e Yoko eram muito mais felizes em NY.

A primeira biografia filmada sobre a vida de Lennon, “Nowhere Boy” (de Sam Taylor-Wood), estreou em outubro passado nos Estados Unidos, coincidindo com os 70 anos de nascimento do músico. No Brasil acaba de estrear, assisti no sábado passado, amei!!! Para quem é fã e admira John, esse filme é imperdível. Ele relata a vida dele até o começo da era Beatles. Mostra direitinho como tudo aconteceu, como sua infância foi sofrida e como a vida sempre exigiu muito dele emocionalmente.

Nos últimos tempos, vários livros foram lançados abordando sua vida e carreira. Li que um dos mais interessantes e realista é “John Lennon – O Ídolo que Transformou Gerações” (Gary Tillery) e já garanti o meu!! Esta para chegar, depois eu conto se é bom mesmo! O livro é uma interessante análise sobre a filosofia de vida do cantor, compositor e músico britânico. Além de explicar as origens de algumas músicas compostas por John, o livro apresenta as origens do artista, as motivações que o levaram ao meio artístico e também os caminhos que ele buscou para encontrar respostas para as chamadas “grandes questões de vida”: de onde vim, para onde vou e por que estou vivo. Não vejo a hora de ler!!!

Abaixo segue algumas fotos que relatam a vida de John, na fase Beatles, fase Yoko e após sua morte.

Estátua que homenageia John Lennon no famoso "The Cavern Pub" em Liverpool.

Fãs se reunem com cartazes e velas em homenagem ao ídolo John Lennon

Site oficial por Yoko Ono: www.johnlennon.com

Paul McCartney transmitirá show pela Internet!

29 nov

Em junho deste ano, uma apresentação de Paul McCartney feita em Londres foi transmitida ao vivo pelo YouTube. Paul McCartney resolveu fazer o live broadcasting mais uma vez, desta vez em um evento fechado que ocorrerá em Nova York no dia 13 de dezembro.
Esse evento se trata de uma festa da rádio Sirius (que atingiu a marca de 20 milhões de assinantes pelo sistema de satélite), aonde Paul McCartney é a atração principal. O grande atrativo do show é que ele será o primeiro do músico no icônico Apollo Theater, famosa casa de espetáculos do bairro do Harlem. O local se destacou nos anos 1960 por revelar grandes nomes da black music, como Ella Fitzgerald, Billie Holiday, James Brown e Diana Ross & The Supremes.

Então não percam que o show do Paul é imperdível. Será transmitido no site http://www.sirius.com/ no dia 13/12/10. Neste domingo (21) e na segunda-feira (22), McCartney encerrou sua turnê pelo Brasil com duas apresentações esgotadas aqui em São Paulo. Eu fui no show de domingo e considerei a grana que desembolsei para ficar perto do Paul o dinheiro mais bem gasto da minha vida! Foi realmente maravilhoso ver o Paul de perto, ouvir ele cantar ao vivo e me emocionar lembrando de tudo o que aconteceu na história dele e dos Beatles. Mais emocionante ainda foi ouvir as letras de músicas antigas como “Let it Be”, “Hey Jude”,  e  ver como esses caras tão jovens, já tinham sacado o que era a vida. Não mencionando “My Love”, “Live and Let Die”, “All my Loving” e muitas outras músicas maravilhosas do Sir Paul. O retorno do investimento ficará para sempre em minha memória!!!!

 
%d blogueiros gostam disto: